Anel de compromisso: o guia completo para você não errar

Anel de compromisso: o guia completo para você não errar

Não se aflija se, ao chegar no meio da turma exibindo com orgulho seu anel de compromisso novinho em folha, alguém torcer o nariz como a dizer: “Isso está ultrapassado”. Pode apostar: é pura inveja. Afinal, quem disse que o romantismo alguma vez saiu de moda?

Tudo bem que, hoje em dia, muita gente mude o status do Facebook para “em um relacionamento sério” e ache que tudo está resolvido.

Ou esqueceram de combinar com o par ou estão apenas “jogando para a torcida”, pois ninguém que queira marcar um momento tão importante vai simplesmente fazer o pedido de namoro, noivado ou casamento através do “Whats”.

Nada disso: o anel continua sendo o melhor mensageiro e jamais perderá o seu posto de “cupido”.

Claro que ainda precisamos definir alguns pontos. Por exemplo, qual o anel mais indicado para cada circunstância. Ou ainda: quem deve usá-lo, ele e ela ou somente ela? E em qual dedo colocar (e por quê)?

Nota-se como o assunto é cheio de pegadinhas. Algumas talvez mereçam apenas um sorriso divertido de sua cara metade; outras, geram um embaraço realmente grande.

Para não tropeçar no seu momento de cinema, elaboramos este guia completo do anel de compromisso. Siga conosco e se torne craque no assunto.

1. O que é um anel de compromisso?

À primeira vista — e podemos tomar isso de uma maneira literal — o anel de compromisso serve como uma espécie de alerta: fulano ou fulana está comprometido(a). Isso significa que, em um encontro social qualquer, deve-se ter o pudor de não “avançar o sinal”.

Segundo essa perspectiva, é como se o anel emitisse um certificado de posse — e não se deve duvidar de que muita gente pense assim.

Por outro lado, não se pode concluir que um jovem namorado, ao empenhar seu suado dinheiro em um objeto desses, o faça com intenção outra que não exprimir sua paixão pela garota que, ele jura, é a mulher da sua vida.

E nisso encontramos o verdadeiro sentido do anel de compromisso: é um símbolo de união e um pacto de fidelidade entre duas pessoas. E isso parte de uma tradição que, dizem os especialistas, remonta aos tempos áureos dos faraós. Não é pouca história para um — aparentemente simples — aro de metal.

2. Quais compromissos são pactuados com anéis?

Essa charada a gente já matou lá no início do post, mas vai que você não prestou muita atenção e deixou escapar. De qualquer forma, o tema merece mais do que uma singela linha de texto. Então, devemos dizer que os anéis de compromisso formam uma famosa tríade, a saber:

2.1 Anel de namoro

Aliança de compromisso na completa acepção da palavra, o anel de namoro é o primeiro indicativo de que a relação é para valer.

O casal já se curte há algum tempo e resolve formalizar essa união, porém não de modo definitivo, como seria se adotassem o anel de noivado. É, em razão disso, uma peça menos elaborada, em geral confeccionada em aço ou prata e usada no dedo anelar da mão direita.

2.2 Anel de noivado

Esse pode não ser o mais popular, mas é o mais celebrado em verso e prosa. Também conhecido como “solitário”, é o protagonista de qualquer pedido de casamento que se preze. A cena, inclusive, é parte do imaginário popular, graças ao cinema e à televisão: o jovem de joelhos diante da amada, pondo-lhe diante dos olhos enormes de surpresa um anel de brilhantes.

Claro que um diamante, o brilhante mais cobiçado, não se compra por qualquer ninharia. Por isso, o solitário se adaptou a bolsos menos privilegiados com o surgimento de versões em semijoias cravejadas de zircônia. Via de regra, é usado na mão direita durante o noivado e como aliança de casamento depois do esperado “sim”.

2.3 Anel de casamento

Esse, sim, é o “top das galáxias”. A famosa aliança consagra a paixão do casal e, espera-se, acompanhará sua trajetória “até que a morte os separe” (ou o divórcio, infelizmente). É, portanto, uma joia para não sair mais do dedo.

Em razão disso, deve ser confeccionada com material nobre para durar para sempre. Como já foi dito, muitas vezes é o solitário quem faz as vezes de aliança (quando não usado em conjunto com ela, à guisa de aparador).

Todo mundo sabe disso mas não custa sermos didáticos: aliança de casamento se usa na mão esquerda (quer dizer, ninguém é obrigado a isso. Por exemplo, algumas pessoas simplesmente penduram a aliança em uma corrente e usam-na como pingente. Mas é a famosa exceção que comprova a regra).

3. Como escolher um anel de compromisso?

Não mais que de repente, você sentiu que agora vai! Significa que o compromisso é sério e merece ser apresentado ao mundo como tal. Mais do que isso, merece ser celebrado a dois como um sinal de carinho e desejo de permanecerem juntos, não importa que “soprem ventos contrários”.

Isso tudo nos coloca no seguinte dilema: como escolher um anel de compromisso “mega top”? Aquele que vai deixar o “mozão”, no caso de uma surpresa, de queixo caído e ainda mais a fim de você? Bem, coloquemos as cartas na mesa:

3.1 Leve em conta seu perfil e o de sua cara metade

Casais existem de todos os tipos, com gostos os mais variados, interesses, expectativas e — vá lá — esquisitices bem particulares. Saber que isso deve ser considerado no momento de sacar seus vinténs da carteira e empenhá-los em um anel de compromisso é fundamental para não dar com os burros n’água.

Supondo que você e seu “crush” sejam totalmente alternativos, não seria arriscado apostar que desdenhassem de um par de anéis sofisticado e elegante. Talvez até prefiram tatuar um tribal em seus dedos ou usar algo feito de miçangas ou casca de coco!

Portanto, antes de se lançar em alguma extravagância, verifique se não seria o caso de adquirir uma peça mais singela e discreta.

3.2 Concilie expectativa e realidade

Não faz muito sentido sonhar com um produto da alta joalheria se o seu orçamento está mais para juntar uns trocados para o “busão”. Ou seja, vá com calma. Antes de tomar uma decisão, seja ela conjunta ou não, pesquise bastante, visite algumas joalherias, acesse alguns sites e procure encaixar sua pretensão às possibilidades econômicas do casal.

Isso é especialmente verdadeiro quando se trata de um anel de namoro. Tudo bem que vocês estão naquela “vibe” romântica e tal, mas, lamentamos informar, essas coisas podem mudar.

Não seria mais sensato, portanto, adquirir um anel mais modesto agora e investir para valer, se for o caso, no anel de noivado ou de casamento? Se é para penar com uma boa dúzia de prestações, que seja diante da pergunta “fatal” do padre.

3.3 É para comprar um ou dois anéis?

Pois é, essa é uma daquelas questões filosóficas que atormentam a Humanidade desde os tempos de Platão (ou não). Afinal, o galã que acabou de dar um anel de noivado para a moça também terá que andar por aí com um solitário nos dedos?

Não, caros leitores, anel de noivado é coisa de noiva. Aliança de casamento, por outro lado, os dois usam (e nem sonhe em esquecer a sua sobre a pia do banheiro!), assim como o anel de namoro.

São cláusulas pétreas dos relacionamentos que ninguém se dispõe a mudar.

3.4 Em qual dedo usar?

Ok, já falamos que os anéis de namoro e noivado são usados no anelar da mão direita, enquanto que o de casamento é tradicionalmente usado na mão esquerda, mas não há exatamente um motivo que nos impeça de escolher outro dedo que não o anelar.

No caso do anel de noivado, embora ele possa muito bem se converter em aliança de casamento, não é incomum que seja substituído por outra peça durante a famosa troca de alianças.

Assim, sobram-lhe duas alternativas: manter-se juntinho da aliança na condição de aparador, ou deslocar-se para a direita e passar a ser usado no médio ou no indicador. Na verdade, qualquer outro dedo ou mão estão liberados.

O mesmo ocorre com o anel de namoro, caso a pessoa tenha apreço pelo objeto. A depender do diâmetro da peça, pode até ser usada em outros dedos. Aliás, segundo creem muitos, cada uso encerra um significado. Neste post, você descobre tudo a respeito disso e pode até se identificar com determinada forma de usar.

Já o anel de casamento reina absoluto no anelar da mão esquerda. Existe razão para isso? Claro que sim. E ela está na crença dos antigos na “vena amoris”, ou veia do amor, um canal direto com o coração. Os gregos, por exemplo, costumavam usar um anel nesse mesmo dedo, pelo mesmo motivo.

3.5 Como saber se o aro vai servir?

Assim como os amores e as personalidades, os dedos não são todos iguais. Então, como saber, assim no “olhômetro”, se o anel que você planeja comprar vai servir?

Em muitos casos, dá para corrigir o erro numa boa: é só levar a peça até o joalheiro e pedir que alargue ou encurte o diâmetro. Essa opção, porém, não existe se o anel for feito de aço, que é uma escolha muito comum quando se está ainda na fase de namoro.

Claro que, se o casal estiver empenhado na escolha, não existe grande dificuldade: dá para medir a numeração dos dedos de forma muito tranquila (aqui apresentamos algumas dicas). Ou, ainda, deixar a medição a cargo do joalheiro, caso vocês não queiram reservar essa tarefa ao Google.

Agora, a coisa complica se a ideia for presentear a outra parte. Sabe, fazer uma surpresa. Nesse caso, o melhor seria “surrupiar” um anel da companhia e levá-la para o joalheiro poder medir.

Pedir que alguém próximo dela descubra também funciona, mas é importante confiar na discrição e capacidade de atuação do seu agente secreto.

4. Do que são feitos os anéis de compromisso?

Enfim, entramos em um assunto crucial: a matéria-prima do anel. Essa informação impacta não apenas na questão econômica, mas na durabilidade do produto: materiais nobres custam mais, mas garantem que a aliança conseguirá suportar as exigências de sua função.

Repita-se, é necessário avaliar o custo-benefício: é importante que a peça seja bonita e durável, não importa a sua finalidade, mas é preciso submeter o desejo do casal à frieza dos números.

Além disso, um anel de namoro pode ser mais flexível do que uma aliança de casamento. Enquanto um aceita uma variedade maior de materiais, a outra é mais restritiva.

Dito isso, vamos às opções:

4.1 Metais maciços

Anéis de ouro maciço (chame-os de joias, se quiser) estão no Olimpo da arte joalheira. Assim como os de pura platina: são o que há de mais fino (e caro) no mercado. Tão mais caros quanto maior for a espessura ou a largura do material.

Em consequência, possuem grande valor agregado. Sem contar que esses metais raros e nobres são muito duráveis. O ouro, por ser o mais nobre de todos, costuma ser empregado nas alianças de casamento —especialmente o de cor amarela, mas há quem aprecie o ouro branco e o rosé (menos comum).

Já a platina cai muito bem em anéis de noivado.

4.2 Banhos de metais nobres

Diferente da joia, a semijoia é constituída de uma base de latão, sobre a qual é sobreposta uma camada de metal nobre (ouro, prata ou ródio). O valor ou a durabilidade da peça vai depender da espessura do banho de metal nobre.

Aqui vale uma atenção especial ao banho de ródio. Igualmente nobre, brilhante e extremamente durável, o ródio é também aplicado em anéis de ouro branco. O motivo é o mesmo do uso em semijoias: conferir à peça maior resistência a abrasão e brilho prateado mais intenso.

4.3 Pedrarias

Nem toda aliança é um aro liso de metal. Muitas são cravejadas de brilhantes (diamantes, safiras ou esmeraldas, no caso das joias; zircônias, no caso das semijoias).

A presença de pedrarias na peça é particularmente comum em anéis de noivado. O nome “solitário” atribuído ao seu formato mais popular se dá justamente por isso: o anel tradicionalmente se apresenta com uma única e grande pedra em seu topo.

4.4 Qual a melhor escolha?

Decidir entre uma joia ou uma semijoia é uma questão mais de fundo econômico do que outra coisa. Se você tem “bala na agulha”, vá de joia e seja feliz. Mas, como não podemos lidar com dinheiro de maneira tão leviana, convém estabelecer alguns critérios.

A começar pelo significado do anel para o casal. Se a relação está no começo e ainda há muito caminho a se trilhar, faz mais sentido escolher uma semijoia.

Isso significa que ela é um produto menor, descartável? Lógico que não! Existem modelos que são deslumbrantes, peças verdadeiramente finas. Ainda assim, estão um patamar abaixo de um anel de ouro maciço, por exemplo.

Aliás, se optar por uma semijoia, escolha uma com uma boa camada de metal nobre e que não possua níquel em sua composição (a razão disso está aqui).

Por fim, reserve a sua melhor cartada para a aliança de casamento. Se a relação chegou a esse ponto, ela bem que merece uma joia, que é cara mas vai durar uma eternidade. E que seu amor a acompanhe!

5. Modelos mais populares

Para fechar este textão sobre o anel de compromisso, vamos falar um pouco dos modelos mais populares. Nesse quesito, vale destacar a seguinte trinca:

5.1 Anel solitário

A peça inventada pelo arquiduque da Áustria pouco tempo antes do descobrimento europeu do Brasil já passeou bastante por este post. De fato, é um anel carregado de significados, o que dá a ele uma aura especial e o torna perfeito para surpreender a amada com um pedido de casamento.

5.2 Meia aliança

A meia aliança, com seu design fino e superfície cravejada de pedras, pode servir como anel de noivado e, posteriormente, como aliança de casamento. Também é comum que ela seja usada em conjunto com a aliança de fato, na forma de aparador.

5.3 Aliança lisa

A tradicional aliança apresenta-se na forma de um aro de metal, normalmente de ouro 18 quilates. O que muda, além da composição em si, é seu formato: alguns aros são achatados, outros possuem face abaulada, e há os que possuam frisos.

Além disso, muda a largura ou a espessura da peça: quanto mais espessa, mais pesada e, consequentemente, mais cara. O que se recomenda são alianças com espessuras entre entre 1.2 e 1.7mm. Mais do que isso e elas ficarão desconfortáveis.

E não podemos esquecer que toda aliança de casamento, não importa o modelo, recebe a gravação do nome dos noivos em sua face interna. Isso é mais do que uma praxe: é como se estabelecesse uma conexão simbólica, assegurando a promessa de fidelidade enquanto o amor viver. E que viva para sempre!

Esperamos que este pequeno tutorial tenha esclarecido todas as suas dúvidas sobre esse tema fascinante. Mais do que isso, esperamos que o tenha estimulado a, finalmente, pôr em prática aquele velho desejo de presentear a sua outra metade da laranja com um anel de compromisso cheio de beleza e significado. Apostamos que, com isso, sua relação vai subir de patamar.

E, para deixar o seu caminho ainda mais fácil, aqui está o pulo do gato: a Linda Bela tem, em sua loja virtual, uma seção de anéis incrível. Tem meia aliança, solitário e o que mais você puder imaginar para embelezar os seus dedinhos ou os de alguém muito especial. Perde tempo não: vai lá e confere!

 


Comentários