Como reconhecer um brinco antialérgico?

Como reconhecer um brinco antialérgico?

Você tem alergia a determinados brincos ou acessórios? Reações alérgicas a brincos são bastante comuns, principalmente entre as mulheres, com sintomas que vão desde uma coceirinha na orelha, vermelhidão e inchaço, até inflamações, sangramentos e feridas.

Geralmente as bijuterias são as principais causadoras do problema, mas algumas semijoias também podem provocar alergias.

O chamado “brinco antialérgico” é uma boa saída, mas você sabe exatamente o que é, e como reconhecê-lo? Continue lendo este post e descubra!

Entenda o que causa alergia ao usar brincos

Não é à toa que a bijuteria é o tipo de acessório que mais provoca reações alérgicas. Isso porque as bijus são fabricadas, majoritariamente, a partir do níquel, que é o grande causador da dermatite de contato — como é denominada a alergia na pele.

O níquel é utilizado por ser um metal resistente e barato. Entretanto, quando entra em contato com a pele, é identificado pelo organismo como um corpo estranho, provocando a produção de anticorpos e gerando os sintomas super incômodos que você provavelmente já conhece.

Isso significa que, além das bijuterias, qualquer peça que tiver níquel na composição pode provocar reações alérgicas — mesmo se for uma semijoia, por exemplo.

Saiba o que é indicado para evitar alergias

As alergias não têm cura, e a única forma de prevenir os sintomas é evitar o contato com o agente causador.

Joias legítimas, por serem fabricadas apenas com metais nobres, não provocam alergias. Mas é claro que você não precisa usar apenas esse tipo de acessório.

Semijoias são produzidas a partir de um metal base, geralmente o latão. Esse metal é coberto com uma camada intermediária, que serve para aumentar a resistência do produto e nivelar as imperfeições, preparando a peça para receber o banho de metal nobre.

Muitas empresas ainda utilizam o níquel nessa camada intermediária, por ser um metal eficiente e barato, o que reduz o custo da produção. Outros fabricantes já substituem o níquel por outro metal, como o paládio, que é mais caro, mas cumpre a mesma função e garante a segurança das clientes.

Saiba identificar um brinco antialérgico

Apenas peças sem níquel na composição são denominadas antialérgicas e, como já mostramos, o fato de um acessório ser uma semijoia não garante a ausência deste metal.

Procure fornecedores que façam essa substituição. Além disso, para saber se um brinco é livre de níquel ou não, verifique se essa informação está presente na descrição do produto e no certificado de garantia.

A Linda Bela, por exemplo, é uma empresa que trabalha apenas com semijoias antialérgicas, ou seja, sem níquel na composição.

Cuidado redobrado com as crianças e bebês

As crianças, principalmente os recém-nascidos, têm a pele muito sensível e delicada. Isso significa que as reações alérgicas aparecem com muito mais facilidade, portanto, o cuidado com os acessórios deve ser ainda maior. Então, não se esqueça: brincos infantis devem ser sempre antialérgicos!

As reações alérgicas a brincos são muito comuns e, como já dissemos, o níquel presente nos acessórios é o grande causador desse problema. Se você é consumidora de acessórios, sabe que a qualidade e a segurança dos produtos são essenciais, e ser capaz de reconhecer um brinco antialérgico é uma boa maneira de evitar futuras frustrações.

Ficou curiosa e gostaria de saber mais sobre o assunto? Continue em nosso blog e descubra a diferença entre joias, semijoias e bijuterias.

 


Comentários