Folheados ou semijoias? Banhados ou chapeados? Entenda as diferenças.

Folheados ou semijoias? Banhados ou chapeados? Entenda as diferenças

Quando o assunto é moda e beleza, as consumidoras costumam esbarrar em diversos termos e palavras que parecem ter o mesmo significado. Essas dúvidas são normais e podem gerar uma grande confusão na hora em que essas mulheres vão comprar seus acessórios.

Por exemplo, o correto é dizer folheados ou semijoias? Um determinado brinco é chapeado, folheado ou banhado a ouro?

Esse é um dilema bem comum no dia a dia das consumidoras e, para que elas possam ampliar seu conhecimento sobre o tema, é importante saber como e quando essas expressões devem ser usadas.

Ficou interessada? Então continue com a gente!

Qual a diferença entre folheado e banhado?

A diferença entre folheado e banhado pode ser compreendida após uma breve análise de dois diferentes tipos de tratamento de superfícies que acontecem no final do processo de fabricação das semijoias.

Porém, antes de aprofundarmos a discussão sobre “banhado ou folheado”, é importante incluir mais um tópico na discussão: o chapeado.

Na verdade, o ato de chapear ou folhear significa exatamente a mesma coisa. Ou seja, os dois são produtos que tiveram o mesmo tratamento de suas superfícies e receberam suas camadas de metais da mesma maneira.

Semijoias folheadas

Folhear ou chapear uma semijoia consiste em aplicar uma fina folha de metal — de ouro ou prata, por exemplo — sobre a peça, e depois realizar uma forte compressão, que permitirá a aderência dessa folha de metal ao produto em questão.

Uma associação, que ajuda a entender bem o que é folheado a ouro, é lembrar das famosas igrejas históricas, da época do barroco. É fácil encontrar dentro delas imagens de santos, arabescos de sua arquitetura e, às vezes, altares inteiros, todos folheados a ouro.

Semijoias banhadas

Já as semijoias banhadas são peças que receberam suas camadas de metais de uma forma diferente, através de um processo chamado galvanoplastia.

Essa técnica de tratamento de superfícies consiste, literalmente, em banhar os produtos. As peças são mergulhadas em uma solução que contém o metal, já dissolvido, que vai dar o acabamento.

As camadas são depositadas eletroquimicamente, ou seja, com a aplicação de uma corrente elétrica, o metal é transportado e depositado na superfície das peças brutas que estão sendo tratadas.

O cobre, o níquel, a prata, o ródio e o ouro são alguns exemplos de metais amplamente utilizados no banho de semijoias. Assim, cada uma dessas camadas de metal terá uma função, como o nivelamento de imperfeições, o aumento da resistência e a certeza de uma aparência mais brilhante à peça.

Banhado ou folheado? Qual é melhor?

Conforme abordado anteriormente, o folheado é aquele produto que teve a aplicação de uma fina folha de metal em sua superfície através de uma forte compressão.

O problema é que esse tipo de técnica caiu em desuso na produção de semijoias. Hoje em dia é mais fácil encontrarmos outros tipos de produtos folheados, como canetas ou isqueiros.

Por ser mais eficiente, o processo de galvanoplastia é responsável por banhar quase 100% das semijoias que estão no mercado.

Sendo assim, podemos concluir que as semijoias banhadas são as melhores opções disponíveis atualmente. E para reconhecer um banho de boa qualidade é importante se atentar aos 4 passos a seguir:

1. Verifique quantos milésimos de metal nobre foram aplicados na peça

Como vimos, durante o processo de galvanização, a peça recebe diversas camadas de banho. A quantidade de metal nobre usada para fazer a peça é chamada de “milésimos” e isso está diretamente ligado à qualidade da semijoia.

Um banho de excelente durabilidade possui entre 8 e 10 milésimos de metal nobre, como o ouro ou o ródio, por exemplo. A única exceção fica por conta dos brincos que, por sofrerem menos atrito, podem ser banhados com até 5 milésimos de metal nobre, sem que a qualidade da peça seja prejudicada.

2. Certifique-se que o produto não possui níquel em sua composição

Ao ser aplicado em uma das camadas intermediárias da semijoia, o níquel melhora o acabamento da peça, deixando-a mais lisa e resistente.

O problema do níquel é a grande possibilidade de causar alergias. Uma semijoia antialérgica não pode, em hipótese alguma, possuir níquel em sua composição.

A Linda Bela, por exemplo, substitui esse metal pelo paládio que, além de conferir resistência às peças, não provoca reações alérgicas.

3. Pergunte se o banho das semijoias “prateadas” é de ródio ou de prata

O objetivo desse questionamento é devido ao escurecimento do produto. Algumas substâncias podem ajudar a escurecer uma semijoia, como o uso de perfumes, ácido úrico liberado no suor e produtos de limpeza.

Mas existem, sim, metais que escurecem mais facilmente. Semijoias banhadas a prata podem escurecer mais rapidamente pois este é um metal que oxida com mais facilidade. Assim, faz-se necessário limpar a peça a todo momento para mantê-la vistosa.

Dentre os metais nobres “prateados”, o ródio é a melhor opção, já que tem menos probabilidade de escurecer. O ródio, em relação à prata, é um material mais caro, mas o investimento compensa.

Para garantir a qualidade, beleza e durabilidade das peças, a Linda Bela trabalha apenas com banho de ródio em suas semijoias “prateadas”.

4. Questione sobre a garantia e a política de trocas ou devoluções

Se quiser testar a veracidade das informações dadas no momento da compra, pergunte sobre a garantia do produto. Semijoias de boa qualidade costumam ter, no mínimo, 6 meses de garantia contra defeitos de fabricação.

Além disso, é importante se precaver dos possíveis imprevistos pós-compra. Empresas sérias, como a Linda Bela, respeitam suas consumidoras e estabelecem uma política de trocas ou devoluções muito bem definida.

E, pra finalizar, qual a diferença entre semijoia e folheado?

O termo “folheado” é bastante utilizado nos dias de hoje e é considerado sinônimo de “semijoia”. Mas, será que essa afirmação está correta? Folheados e semijoias podem ser considerados sinônimos?

Como vimos neste post, a técnica de folhear uma semijoia não é utilizada pelos fabricantes já faz algum tempo. Sendo assim, se uma análise for feita ao pé da letra, as semijoias atuais não deveriam ser chamadas mais de “folheados”. Hoje em dia, somente o termo “banhado” pode ser considerado sinônimo de “semijoia”.

Mas, apesar de toda essa curiosidade técnica, no final das contas, o que acaba valendo é a forma com que as pessoas se comunicam. Ou seja, as mulheres podem continuar utilizando os termos “folheados” e “semijoias” de acordo com o que for mais conveniente. O importante é todos entenderem a mensagem sem muito esforço!

Agora que você já sabe a diferença entre folheados, banhados e chapeados, visite a loja virtual da Linda Bela e compre semijoias de qualidade!

 


Artigo publicado originalmente em julho de 2016 e atualizado em agosto de 2017 pela equipe da Linda Bela.


Comentários