Piercing na orelha: o guia completo para você colocar um

Piercing na orelha: o guia completo para você colocar um

Seria só por modismo que as garotas colocam piercing na orelha? Seria por atitude, uma maneira de afirmar uma personalidade atrevida e um quê de sofisticada? Ou seria somente porque isso deixa o visual mais atraente e a arte de combinar looks ainda mais plural?

Podemos dizer que todas as alternativas acima estão corretas — e achar ainda mais um caminhão de motivos pelos quais o piercing na orelha vive o seu auge no mercado fashion.

Para quem ama modificações corporais mas somente consegue admirá-las na pele alheia, talvez por receio de comprometer o próprio umbigo (ou outra parte da anatomia), aplicar mais um furo na orelha não parece sacrifício demasiado.

Já quem não tem dó de trespassar aço cirúrgico nos mais diferentes recessos, a orelha é tão somente a primeira fronteira a ser vencida, um campo de experimentalismo rumo a intervenções cada vez mais ousadas. Tanto faz.

Mesmo quem não se liga nada em transformações do gênero — tipo, não se vê com um grampo atravessado no lábio, nariz ou língua — tem no piercing na orelha um aliado poderoso na hora de montar um look matador.

Resumindo: piercing na orelha é para todas — e para todas as ocasiões. Pode ser abusado, delicado, sofisticado e demais “ados” que você preferir. É, sobretudo, charmosérrimo.

Deu para perceber que a gente é fã dessa tendência, não é mesmo? Não é para menos. E se você está conosco nessa, então segure-se na cadeira, pois elaboramos um guia completo para ajudá-la a colocar e curtir o seu piercing na orelha sem medo de ser feliz. Não saia daí.

Qual piercing escolher?

À disposição de aderir ao piercing na orelha segue-se a decisão crucial de definir em qual lugar espetá-lo. Pode ser que você tenha já uma ideia formada sobre o tipo de acessório e o local onde irá exibi-lo, mas vamos tecer algumas considerações mesmo assim.

Certos modelos e usos são bastante populares. É o caso, por exemplo, da parte superior da orelha. Ali, as meninas curtem inserir joias em formato de haste e também pequenas argolas (um pouco mais abaixo, no ponto chamado hélix). Trata-se de um local que oferece boas alternativas e tem uma pegada bem moderna.

A área externa da orelha, aliás, possibilita o uso de piercings e brincos de estilos variados. Muito comum, por exemplo, é a menina cultivar uma sequência de furos nessa região para brincar com seus acessórios, obtendo resultados muito interessantes.

Já quem é mais ousada parte para intervenções na parte interna da orelha, que abriga pontos como o tragus (a bolinha que protege a entrada do canal auditivo) e o daith (vizinho do primeiro) e recebe acessórios mais do agrado das aficionadas pelo body piercing propriamente dito.

Há outros locais em jogo, e você pode explorar cada um deles neste artigo aqui.

Onde furar?

Considerando que alguns desses pontos são mais rígidos e cartilaginosos do que, por exemplo, o lóbulo, onde normalmente a gente coloca o brinco, convém não planejar uma nova perfuração levianamente.

Pode parecer coisa pequena, um simples pique na orelha, mas não se engane: perfuração corporal é coisa séria. Algumas adeptas dos saberes orientais, por exemplo, dirão que existem polos de energia importantes nessa região do corpo, passíveis de serem arruinados mediante uma perfuração descuidada.

Sem falar que uma operação dessas, se for conduzida sem os cuidados adequados, pode resultar em infecção e gerar uma bela dor de cabeça (literal e figurativamente falando).

Por isso, o lugar mais indicado para perfurar a orelha é o estúdio de body piercing. Ponto. Ali você terá a atenção de um (ou de uma) profissional com expertise para realizar a operação segundo critérios de assepsia e segurança necessário, com material esterilizado e joias de procedência.

Claro que não se pode descartar a prudência de averiguar as credenciais do (ou da) profissional e as condições de seu local de trabalho. Pesquise, pergunte, confira as avaliações. Aceite dicas. Somente certa de que estará em boas mãos, siga com o plano. Afinal, cautela e canja de galinha nunca fizeram mal a ninguém.

Dói muito?

Depende da sua sensibilidade. Algumas pessoas podem ter a orelha virtualmente peneirada de agulhadas que nem tchuns. Outras, quase desmaiam ao simples toque do aço pontiagudo. Mas acredite: você sobrevive a isso.

De qualquer maneira, se você já penou para fazer um furinho bobo na orelha, talvez seja o caso de evitar os pontos mais cartilaginosos, como é o caso do hélix, do hook (que, a propósito, nem todo mundo tem) e do também já mencionado tragus. São locais um pouco duros e, por isso, passíveis de acusar alguma sensibilidade.

Se, ainda assim, você decidiu respirar fundo e mandar ver, procure seguir as recomendações à risca para evitar problemas no pós-operatório. Além de caprichar na higienização do orifício, usando para isso sabonete antibacteriano, cotonete embebido em soro fisiológico ou álcool isopropílico (confira ótimas dicas de cuidados aqui), evite cutucar o local enquanto ele não estiver devidamente cicatrizado.

Também é importantíssimo evitar usar, como brinco de furação, uma peça que tenha níquel na composição. Isso porque esse metal é campeão em causar alergia — o que resulta num belo dissabor para as incautas.

E como a gente escapa de uma armadilha assim? Ora, escolhendo semijoias de procedência, como o são os brincos da Linda Bela! Fica o toque, certo?

De volta ao papo: se der ruim, não vacile; procure logo um médico. Os sinais de alerta são infecção e incômodo na região. Pode parecer excesso de zelo, mas o melhor mesmo é não arriscar. Ao menos, um farmacêutico experiente deve ser consultado. Assim, ninguém dá a bobeira de ver um problema menor evoluir para uma bela encrenca.

Fake vale?

Claro que vale! Não se sentiu segura de aplicar um novo pico na orelha? Tranquilo: faça um “test drive” com um piercing de pressão, que nada mais é do que um acessório similar ao piercing tradicional, porém ele se prende à orelha sem que haja necessidade de uma perfuração.

Via de regra, esse tipo de brinco é colocado na parte mais externa da orelha — no lado de fora da voltinha, digamos assim — e tem o formato de argola. Porém, existe um que parece uma espécie de abraçadeira bem ajustada à pele e comprime uma porção maior da orelha. Fica muito estiloso.

Tanto um quanto outro podem ser usados em alguma ocasião realmente chique ou naqueles momentos em que você só quer tirar onda.

É muito legal ainda combinar uma série de piercings fake de uma só vez, em apenas um lado, ou fazer uma composição esperta com um brinco mais chamativo. E tudo isso sem um único “ai”. Perfeito!

E como eu acerto na produção?

Elaborar uma produção envolvendo brincos e piercing de orelha é a parte mais simples — e divertida — dessa operação.

Claro que existem balizas, aquela espécie de boas práticas que sempre salva o dia quando estamos indecisas se o look que queremos montar vai dar certo ou não. Vamos, então, à primeira delas:

Siga seu estilo (mas nem sempre)

Uma das principais referências, sem dúvida, é o estilo da pessoa. Apostar num look que corresponda ao seu caráter já é meio caminho andado. Isso também diz muito sobre o tipo de joia que você está disposta a encarar.

Uma personalidade mais contemporânea sempre vai apostar em uma combinação de peças variadas. Nesse caso, a tendência é que cultive diversos furos na orelha para poder aproveitar a moda ao máximo.

Se você curte exibir um ou dois brincos aqui, outro lá, um piercing numa ponta, outro noutra, pode fazê-lo sem medo. Apenas observe se as peças promovem um diálogo harmônico entre si. Esse encaixe pode ser feito pela simetria (tamanhos e formatos parecidos) ou pela similaridade (acessórios feitos de materiais semelhantes).

Também é possível ancorar a produção no colorido das peças, tendo a cor do look como ponto de partida.

Perceba ainda que está muito na moda apostar na assimetria das peças, como brincões fazendo parceria com piercings menores ou uma sequência de peças vistosas, competindo entre si em tamanho.

Para um momento especial, aposte em pedrarias, pois são chiques e darão um up legal no look. Se quiser dar um toque de estilo a uma produção mais arrojada, experimente uma combinação de argolas, hastes e outras joias tradicionais com brincos modernos.

Agora, se não for a sua vibe chamar tanto a atenção, recorra às simples e sempre eficientes argolas de tamanho pequeno. Combiná-las com pontos de luz também rende produções suaves e cheias de charme.

Se, por outro lado, você estiver naquele espírito aventureiro, vale sair do figurino e investir numa produção totalmente diferente. Aí, tenha como aliado o piercing de pressão, pois com ele você pode criar uma persona diversa do habitual para curtir uma ocasião especial. Acredite: vai ser divertido!

Respeite a ocasião

O “respeite” aí em cima ficou forte, mas ele está ali apenas para sinalizar que uma produção envolvendo piercing de orelha pode ou não funcionar se houver um “dress code” a ser observado em determinada circunstância.

Como já falamos no decorrer deste guia, não existe muita limitação ao uso de piercing de orelha relacionada com o lugar onde você vai. Com isso, queremos dizer que não há problema, por exemplo, em ir a uma festa badalada exibindo alguns. Mesmo em ambiente corporativo o uso do acessório pode ser tolerado.

Porém, nem toda produção funciona em qualquer contexto. Momentos mais festivos abrem um leque de possibilidades, você sabe, mas algumas situações exigem certo comedimento, o que indica uma produção mais discreta, ainda que elegante.

Mesmo assim, não se atenha tanto a regras. Confie no seu feeling. O teste do espelho costuma ser um conselheiro sábio: observe atentamente a maneira como os diferentes piercings conversam entre si e como a sua presença (ou, por outra, a sua ausência) impacta no restante da produção: roupa, maquiagem e cabelo.

A propósito, uma boa produção envolvendo piercing na orelha tem sua eficiência diretamente influenciada pela maneira como você escolhe o penteado. Nesse aspecto, a dica importante é: se você espera que seus acessórios brilhem, dê margem para que apareçam. Por isso, cabelos presos ou arranjados em elaborados coques são boas pedidas.

Por fim, não tenha medo de ousar. O fato puro e simples de cultivar uma série de furos na orelha indica uma personalidade que não tem medo de arriscar, que preza os acessórios que tem e que curte variedade. Usar piercing na orelha dá margem a essa leitura. Por outro lado, não se sinta pressionada a aderir a modismos apenas porque todo mundo está usando essa ou aquela peça. Faça seus looks como bem entender, tendo como principal guia o seu bom gosto e modo de ser.

Agora que você já sabe tudo o que há para saber sobre o uso de piercing na orelha, falta apenas indicar o caminho das pedras. Isto é, informar o melhor lugar no mundo para encontrar os acessórios que revolucionarão o seu look.

Estamos falando da seção de brincos da Linda Bela, é óbvio! Se você já conhece nosso site, considere isso como um lembrete de que os lançamentos chegam a todo momento. Se ainda não conhece, está esperando o quê? Corre lá e aproveite agora mesmo! Despachamos para todo o Brasil e parcelamos suas compras.

 


Comentários