Semijoias baratas podem atrapalhar o negócio da revendedora?

Semijoias baratas podem atrapalhar o negócio da revendedora?

Todo mundo já ouviu falar que o barato sai caro. No mercado de semijoias não é diferente: há uma relação direta entre qualidade e preço. Afinal, produzir uma boa peça exige materiais de primeira e isso gera custos — que, por sua vez, precisam ser repassados à cliente, sob pena de o fabricante amargar prejuízo.

Seguindo o mesmo raciocínio, para termos semijoias baratas é necessário economizar na linha de produção, o que geralmente significa usar materiais de qualidade inferior. O resultado é inevitável: a peça também será inferior.

No fim do processo temos a cliente, que não quer pagar muito caro, mas deseja um produto de qualidade. Se cairmos na tentação de oferecer-lhe semijoias baratas, é possível que ela fique satisfeita num primeiro momento. Mas, à medida que perceber que o produto é ruim, ficará bastante frustrada — e talvez procure outra revendedora no futuro.

Assim, se você está se perguntando se semijoias baratas podem atrapalhar o seu negócio, a resposta é: sim, com certeza.

Custo-benefício: a grande vantagem das semijoias

No quesito preço, semijoias levam uma vantagem importante sobre as joias, pois são muito mais baratas e as substituem sem problemas. Não devem nada em termos de beleza e sofisticação.

Porém, diferente das joias, as semijoias não duram para sempre. São mais baratas porque não são inteiramente feitas com ouro, apenas ganham um revestimento do metal nobre.

Isso não quer dizer, por outro lado, que a peça deva ter vida curta. A cliente exige qualidade e merece tê-la. Se pagou o preço justo pelo produto, não pode aceitar que ele estrague com uma semana de uso.

Como reconhecer uma semijoia de qualidade?

Embora o preço seja um bom indicativo da qualidade da semijoia, é necessário fazer uma análise mais criteriosa das peças que você pretende revender.

Basicamente, há dois aspectos a serem observados: a qualidade do banho da peça e a presença ou não de níquel em sua composição.

O primeiro caso leva em conta a quantidade de ouro usada na galvanização da peça. E isso é contado em milésimos de banho de ouro. Quanto mais milésimos houver, melhor o produto será.

Já o níquel é um elemento químico bastante resistente e barato. Porém, a chance dele causar alergias e irritações na pele é muito grande.

Portanto, se houver níquel na composição e pouco banho de ouro, o preço do produto cairá — junto com a qualidade. A peça vai descascar logo e a cliente poderá ser brindada com uma alergia — e o que parecia uma boa venda vai se revelar uma bela dor de cabeça.

Tenha cuidado com as semijoias baratas

Resumindo: revender semijoias baratas pode ser sim um mau negócio. Por isso, antes de pôr sua credibilidade em jogo, procure por fornecedores que aliem qualidade e preço justo — que é uma equação muito mais vantajosa.

A Linda Bela aplica esse princípio, oferecendo peças a um preço acessível, com 10 milésimos de banho de ouro (exceto os brincos, que vêm com 5 milésimos) e antialérgicas (sem níquel). Além disso, os produtos possuem garantia de 1 ano contra defeitos de fabricação.

Agora você já sabe: fuja das semijoias baratas e procure sempre equilibrar custo e benefício.

E, para ajudar as clientes a cuidarem bem de suas aquisições, que tal conhecer estas 7 dicas de conservação e cuidados com as semijoias?

 


Comentários