Tarraxa ou tarracha de brinco? Descubra agora mesmo!

Tarraxa ou tarracha de brinco? Descubra agora mesmo!

Quando a gente menos espera, surge a dúvida: essa palavra que acabamos de teclar não parece estar correta. Afinal, é “tarraxa” ou “tarracha” a famosa pecinha que prende o brinco na orelha? A linha ondulada em vermelho sublinhando “tarracha” dá uma indicação de que a outra é que está certa. Mas com xis não fica estranho?!

Você pode até achar que essa é uma questão trivial: “Que importância tem?”. Bom, se você é do ramo ou ganha dinheiro revendendo joias ou semijoias (inclusive, já elucidamos aqui a dúvida envolvendo essa palavra!), não vai querer comprometer o bom nome do seu negócio grafando errado palavras que, por dever de ofício, era para conhecer muito bem, não é?

Pense só em como nos causa má impressão quando recebemos uma mensagem com erros de escrita. Se ela for comercial, então, a coisa piora bastante. Portanto, não há razão para que queira enviar seus pedidos maculados por deslizes.

E, ainda que nada disso seja realmente importante, pelo menos você saberá de uma vez por todas se é tarraxa ou tarracha de brinco que se fala. Então, sem mais demora, vamos logo solucionar o enigma!

Confusão na web

É bem provável que, se alguma vez ficou em dúvida em relação a esse substantivo e, ato contínuo, foi procurar no Google a grafia correta, você tenha terminado sua pesquisa ainda mais confusa do que quando começou.

A razão é que deve ter se deparado com tarraxas e tarrachas de brinco, as duas palavras pululando em sites mil. Nessas alturas, a vontade é dar um bico em ambas e tergiversar com expressões similares, como fecho de brinco ou contrapino. Mas tenha coragem, colega.

Saiba de uma vez por todas que, gramaticalmente falando, é mesmo tarraxa, com xis. Ou seja, o que parece o mais errado é que é o certo!

E o fato de haver tanta tarracha por aí não é apenas por popularização de uma grafia errada, como acontece em tantas oportunidades com a nossa maltratada língua portuguesa. Teve gente com diploma que caiu na mesma armadilha.

O pai da “tarracha”

Chama-se Antonio Morais Silva o responsável por dar um verniz acadêmico ao termo “tarracha”. Segundo o dicionário Houaiss, ali pelo final do século XVIII, o lexicólogo brasileiro nascido em agosto de 1755 tascou em seu “Diccionario da Lingua Portugueza” (1890) a definição de “prego roliço, cuja ponta até o meio é lavrada com uma quina viva espiral, a qual se embebe e prende no vão espiral da porca” como sendo com “ch”.

Sua posição, porém, não foi seguida por outros dicionaristas. O filólogo catalão Joan Corominas (1905-1997), especialista em linguística e autor do “Diccionario Crítico Etimológico de La Lengua Castellana” (1954), por exemplo, identificou a origem da palavra no vocábulo árabe “tarraha” (“aquilo que prende”) e considerou adequado que se transpusesse para o castelhano como “tarraja” e para o português como “tarraxa”.

Em sua defesa, Corominas evocou o trabalho de Rafael Bluteau (1638-1734), clérigo britânico que, entre outras obras, publicou, em 1841, o “Diccionario Castellano y Portuguez”, no qual introduziu a expressão “tarraxado”. Com isso, o eminente filólogo levou a parada e os modernos dicionários reconhecem apenas tarraxa, significando cavilha, cunha, rosca externa de cano, parafuso, rebite e, claro, aquela coisinha que prende nossos brincos à orelha.

Um brinde à sapiência

Mesmo que todo esse palavrório pareça coisa de pouca importância, vale o mencionado lá em cima: nada melhor do que exercer controle total sobre todos os aspectos da sua área de atuação. No caso que nos interessa aqui, sendo você uma diligente revendedora de semijoias, é bacana demonstrar à sua cliente que você sabe do que está falando — e, por extensão, do que anda escrevendo.

E mal não fará exibir certa erudição, citando dicionários e estudiosos para discorrer sobre um assunto tão singelo, ainda que seja somente para aborrecer aquela sua amiga metida que acha que sabe de tudo!

Portanto, minha filha, vá e não erre mais: é tarraxa e não se fala mais nisso!

Satisfeita a sua sede por conhecimento, vamos logo aos negócios: sendo, como já suposto, uma revendedora das boas, você não pode deixar de dar um check-in na seção de brincos da Linda Bela. Ali tem tudo o que você precisa para deixar o seu mostruário ainda mais atraente e lucrativo. Então, clica logo e aproveita, pois as ofertas estão demais!

 


Comentários